AFP
AFP

Líder conservador grego fará tudo para formar governo

Antonis Samaras disse que está pronto para se unir a outros partidos que defendem outro pacote de resgate para Grécia

AE, Agência Estado

13 de junho de 2012 | 10h51

ATENAS - O líder do partido conservador grego Nova Democracia, Antonis Samaras, afirmou nesta quarta-feira, 13, que está aberto a se unir a outros partidos que defendem o segundo pacote internacional de resgate para a Grécia, para formar um governo de coalizão após as eleições deste domingo.

Veja também:

linkGrécia precisará de terceiro pacote de socorro, diz jornal alemão

linkBancos gregos têm aumento de retiradas de depósitos às vésperas de eleição

linkPartidos gregos usam pacote espanhol em eleição

Segundo Samaras, seu partido vai fazer todo o possível para formar um governo, desde que seus potenciais parceiros defendam a permanência da Grécia na zona do euro. "Eu não quero acreditar que exista alguma coisa que não possa ser contornada. Nós não podemos ter outra eleição", comentou.

As eleições de domingo estão sendo vistas como um referendo sobre a permanência dos gregos no bloco monetário europeu. O Nova Democracia disputa a liderança com o Coalizão de Esquerda Radical (Syriza), que afirma defender a continuação na zona do euro, mas ao mesmo tempo propõe ações que levariam o país a deixar o bloco, como um calote de três anos e uma auditoria da dívida.

Pressionado pela grande reprovação dos termos do segundo pacote entre a população, Samaras afirma que o Nova Democracia também buscará uma flexibilização nas exigências dos credores internacionais, o que, segundo ele, já está sendo aceito pela União Europeia.

Um dos pontos que os conservadores defendem é uma prorrogação de dois anos do programa de resgate, que inicialmente terminará em 2014. Assim, o governo poderia dividir ao longo de quatro anos os novos cortes orçamentários de 11,5 bilhões de euros exigidos em troca da ajuda internacional.

As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
GréciaSamarasgovernoformação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.