Reprodução/Reuters
Reprodução/Reuters

Líder da Al-Qaeda pede vingança contra queima de Alcorão

Ayman al-Zawahiri rejeitou pedido de desculpas dos EUA e pediu apoio ao Taleban; exemplares do livro sagrado muçulmano foram queimados em uma base no Afeganistão

Agência Estado,

09 Maio 2012 | 16h21

DUBAI, EMIRADOS ÁRABES UNIDOS - Ayman al-Zawahiri, líder da Al-Qaeda, rejeitou nesta quarta, 9, o pedido de desculpas dos Estados Unidos sobre a queima de exemplares do Alcorão numa base norte-americana no Afeganistão e pediu que todos os muçulmanos apoiem o Taleban, informou nesta quarta-feira o Grupo de Inteligência SITE, que monitora mensagens de insurgentes.

"Os cruzados mais uma vez repetiram seu crime ao insultar o sagrado Alcorão, mais uma vez zombaram da mensagem de Alá", disse Zawahiri, segundo tradução do SITE, em parte da mensagem, que tem duração de sete minutos.

Ele pediu aos muçulmanos que vinguem a queima do livro sagrado combatendo "esses agressores que ocuparam nossos países, roubaram nossas riquezas e violaram nossa santidade".

Segundo o SITE, a mensagem foi divulgada pelo Al-Sahab, o braço de mídia da Al-Qaeda.

Em fevereiro, milhares de afegãos atacaram a maior base norte-americana no país, a de Bagram, perto de Cabul, em protesto contra a queima de exemplares do Alcorão ocorrida no interior na instalação. Cerca de 40 pessoas foram mortas em vários dias de protestos violentos.

Autoridades norte-americanas disseram que os exemplares do livro sagrado haviam sido confiscadas de prisioneiros que os usavam para se comunicar uns com os outros. O incidente levou o presidente Barack Obama a pedir desculpas pelo que descreveu como um erro.

No vídeo divulgado nesta quarta-feira, 9, que segundo o SITE foi postado em fóruns extremistas na internet, Zawahiri critica o pedido de desculpas de Obama.

"Após cada um de seus crimes, eles fingem arrependimento e afirmam que investigarão o que aconteceu, o que é uma farsa idiota que Obama e sua secretária repetiram desta vez também", disse o líder da rede terrorista.

"Os cruzados americanos e seus aliados mostraram várias vezes seu ódio e sua inveja do Islã, do livro do Islã, do profeta do Islã", afirmou Zawahiri. Ele pediu aos muçulmanos de todo o mundo que "combatam os inimigos de Alá e os inimigos de sua mensagem".

Zawahiri havia divulgado uma mensagem semelhante em março, pedindo aos afegãos que se levantassem contra os "porcos cruzados" depois que imagens de fuzileiros navais norte-americanos urinando em corpos de militantes do Taleban foram mostradas na internet.

A cada mês, um novo escândalo atinge a aliança entre Estados Unidos e Afeganistão na luta contra insurgentes do Taleban. Em março, um soldado norte-americano matou 17 civis afegãos que estava em suas casas.

 

As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.