Líder da China tem encontro histórico com vice de Taiwan

Diferenças políticas impediram contatos de alto nível entre as duas partes nas últimas seis décadas

Agências internacionais,

12 de abril de 2008 | 12h26

Num momento histórico para as tensas relações entre China e Taiwan, o vice-presidente eleito taiwanês, Vincent Siew, encontrou-se rapidamente neste sábado, 12, com o presidente chinês, Hu Jintao. Ambos disseram querer estreitar os laços econômicos. Siew é o político taiwanês de maior nível a se reunir com um líder comunista chinês desde que os países entraram em guerra, há mais de 60 anos.   Siew e Hu conversaram diretamente, na maior parte do tempo em particular, por 20 minutos, contando cada lado com 12 delegados no Fórum Boao para a Ásia. O evento é realizado todo ano na Província de Hainan, no sul da China. Os dois líderes se sentaram um ao lado do outro, após um aperto de mãos. "Desenvolvimento econômico é a expectativa mútua das pessoas dos dois lados do Estreito de Taiwan", disse Siew ao presidente chinês, definindo a si mesmo como "um velho soldado" da política econômica.   A conversa teve como foco assuntos econômicos e durou cerca de 20 minutos. Siew afirmou que o encontro foi amigável e que deixou o local com uma impressão positiva a respeito do presidente chinês."Eu acredito que ele seja um homem pragmático", disse Siew aos jornalistas."Eu gostaria de trocar idéias com o senhor Siew sobre a questão da cooperação econômica através do Estreito de Taiwan", afirmou Hu, em declarações que foram televisionadas. A China, país com mais de 170 aliados, incluindo as maiores potências mundiais, reivindica Taiwan como parte de seu território e promete recolocar a região sob seu controle, até pela força, se necessário. Taiwan tem governo próprio, independente da China, desde o fim da guerra civil, em 1949.   Diferenças políticas impediram na prática contatos de alto nível entre as duas partes nas últimas seis décadas. No entanto, Siew e o presidente eleito de Taiwan, Ma Ying-Jeou, basearam sua campanha eleitoral na melhora das relações entre os dois países. "A visita indica, em termos concretos, um começo de distensão no Estreito (que separa a China continental da ilha de Taiwan)", disse Lin Chong-pin, ex-integrante do governo de Taiwan e presidente de uma fundação com sede em Taipé, a capital taiwanesa.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaTaiwan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.