coreia do norte, kim jong-Un
coreia do norte, kim jong-Un

Líder da Coreia do Norte diz que alimentos e economia serão prioridade em 2022

Em seu discurso de final de ano, Kim Jong-Un se concentrou em falar de desenvolvimento econômico e produção de alimentos após a escassez gerada durante a pandemia

Redação, O Estado de S.Paulo

01 de janeiro de 2022 | 12h40

SEUL - O líder da Coreia do NorteKim Jong-Un, colocou a economia no centro das prioridades de seu país para 2022, em seu discurso de final de ano. Sua fala se concentrou no desenvolvimento e na produção de alimentos, segundo a mídia estatal neste sábado, 1º.

O país mantém um bloqueio rígido devido ao coronavírus, o que atingiu sua economia e provocou escassez de alimentos. Em seu discurso de encerramento da plenária de seu partido, o líder reconheceu a terrível situação de 2021 ao definir os planos para este novo ano, informou a agência de notícias estatal KCNA. 

Ele descreveu os desafios de 2022 como uma grande luta de vida ou morte e definiu a "importante tarefa de fazer um progresso radical na solução do problema da alimentação, vestuário e moradia para as pessoas", segundo a KCNA. 

A pandemia e o fechamento da fronteira causaram em 2020 a maior contração econômica do Norte em duas décadas, segundo o banco central sul-coreano. Diante da perspectiva de uma crise alimentar, um especialista em direitos humanos da ONU alertou em outubro que os países mais vulneráveis estavam sob risco de fome.

Kim indicou na reunião que combater a pandemia é uma prioridade no próximo ano. "O trabalho de emergência para prevenção de epidemias deve ser uma prioridade", citou a KCNA. 

Analistas apontam que o impacto da covid-19 é a razão para o foco na economia. "A pandemia continua pressionando a diplomacia da Coreia do Norte, dizimando sua economia e tornando o controle de fronteiras uma prioridade de segurança", comentou à AFP Leif-Eric Easley, professor da Ewha Womans University em Seul.

As reuniões do partido coincidiram com o aniversário de 10 anos de Kim na liderança do país após a morte de seu pai em 2011. Ele usou discursos anteriores próximos ao Ano Novo para fazer anúncios de políticas importantes, incluindo o lançamento de compromissos diplomáticos significativos com a Coreia do Sul e os Estados Unidos.

"A principal tarefa do nosso partido e do povo no próximo ano é fornecer uma garantia segura para a implementação do plano de cinco anos e trazer uma mudança notável no desenvolvimento do estado e no padrão de vida do povo", disse Kim.

Kim passou a maior parte de seu discurso detalhando questões domésticas, desde um ambicioso plano de desenvolvimento rural até a dieta das pessoas, uniformes escolares e a necessidade de reprimir as "práticas não-socialistas".

Modo sobrevivência

No discurso, o líder não citou diretamente os Estados Unidos ou a Coreia do Sul, mas mencionou que Pyongyang continuaria a fortalecer suas capacidades militares devido ao ambiente militar cada vez mais instável na península coreana e à mudança da situação internacional. 

Isso inclui garantir a lealdade e obediência dos militares, atualizar as milícias e "produzir equipamento poderoso compatível com guerras modernas", disse Kim, segundo a KCNA. A agência não citou detalhes sobre o que esse fortalecimento bélico implicaria.

"Kim pode estar ciente de que talvez não seja uma boa ideia revelar planos de desenvolvimento militar complexos enquanto as pessoas sofrem com a escassez de alimentos e as condições difíceis fora de Pyongyang", tuitou Chad O'Carroll do site especializado NK News. "A Coreia do Norte estará mais ou menos em modo de sobrevivência em 2022 e não sabe o que fazer a respeito de sua política externa neste momento", acrescentou.

Pyongyang enfrenta inúmeras sanções internacionais por seus programas de mísseis nucleares e balísticos, que avançaram rapidamente no governo de Kim. A deterioração econômica durante a pandemia não afetou os programas militares. Ao contrário, o desenvolvimento de armas continuou, de acordo com um relatório da ONU de outubro.

Pyongyang se afastou das negociações sobre seu programa nuclear desde que o diálogo de 2019 entre Kim e o então presidente americano Donald Trump fracassou. Sob o mandato do presidente Joe Biden, os Estados Unidos expressaram sua disposição de se encontrar com representantes norte-coreanos, ao mesmo tempo que insistiram na desnuclearização do regime norte-coreano. /AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.