Líder da Costa do Marfim receberá ultimato de vizinhos

O presidente da Costa do Marfim, Laurent Gbagbo, deve receber um ultimato hoje de três presidentes da África ocidental que foram à capital Abidjã para dizer a ele que, caso não deixe o cargo, pode ser alvo de uma ação militar.

AE, Agência Estado

28 de dezembro de 2010 | 11h19

Os líderes de Benin, Cabo Verde e Serra Leoa levam uma mensagem da Comunidade Econômica dos Estados da África Ocidental (Ecowas, na sigla em inglês) de que Gbagbo deve deixar o poder ou o grupo pode usar a força para resolver a crise polícia na Costa do Marfim.

Os presidentes Bon Yayi, do Benin, e Ernest Koroma, de Serra Leoa, chegaram primeiro e devem receber a companhia de Pedro Pires, de Cabo Verde, no aeroporto de Abidjã antes de manterem conversações separadas com Gbagbo e seu rival Alassane Ouattara, reconhecido pela comunidade internacional como o vencedor das eleições realizadas no dia 28 de novembro.

Os três não estão entre os maiores críticos de Gbagbo na Ecowas, mas estão armados com uma resolução que exige que ele entregue o poder para Ouattara assinada por líderes mais poderosos, como o líder do bloco, o presidente da Nigéria Goodluck Jonathan.

Apesar disso, parece haver poucas chances de que Gbagbo deixe o cargo, já que ele continua a afirmar que é o líder legalmente eleito em novembro e advertiu que a ameaça militar da Ecowas pode provocar uma guerra na região. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.