Líder da Irmandade Muçulmana é condenado à prisão perpétua no Egito

Um tribunal egípcio condenou o principal dirigente da Irmandade Muçulmana, Mohamed Badie, e outras 14 pessoas à prisão perpétua nesta segunda-feira pelos delitos de assassinato e incitação à violência durante um protesto perto do Cairo no ano passado.

REUTERS

15 de setembro de 2014 | 12h38

A sessão havia sido convocada para os depoimentos de testemunhas, mas o juiz surpreendeu os jornalistas e outras pessoas presentes ao emitir seu veredicto.

Centenas de outros membros da organização foram condenados à morte em julgamentos em massa que têm atraído críticas de governos ocidentais e grupos pró-direitos humanos.

(Reportagem de Lin Noueihed)

Mais conteúdo sobre:
EGITOIRMANDADEPRISAO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.