Líder da oposição britânica é acusado de ter fumado maconha

O principal líder conservador britânico, David Cameron, foi castigado na sua adolescência, quando estudava no prestigioso colégio Eton, escola da aristocracia e da realeza, por fumar maconha, segundo uma biografia do político publicada no jornal The Mail on Sunday. Cameron, de 40 anos, reconheceu neste domingo que, "como muitas pessoas" fez no passado coisas que "não deveria ter feito" e que agora lamenta, mas recusou afirmar ou desmentir se de fato consumiu a droga. "Creio que os políticos têm o direito a ter um passado privado e de deixá-lo permanecer privado", disse, em uma pequena declaração oficial feita em frente a sua casa, em Oxforshire (centro de Londres), depois da notícia ter ocupado páginas de todos os jornais britânicos. "Hoje, eu sou um membro do Parlamento, sou um político, estou me apresentando como candidato para ocupar a cadeira de primeiro-ministro e vocês (imprensa) estão perfeitamente autorizados a me seguir, a colocar câmeras no meu nariz, (...) mas eu acredito que temos o direito a privacidade no passado e este é um princípio que eu vou manter".Cameron teria fumado a droga em junho de 1982, com então quinze anos, segundo a biografia. Durante sua campanha em 2005, o conservador se recusou repetidas vezes a responder se havia usado drogas antes de se eleger em 2001. Diante da suspeita de que alguns alunos estavam fumando e distribuindo drogas no colégio, a direção de Eton decidiu alertar a polícia, segundo a biografia Cameron, o auge do novo conservador, que será distribuída em fascículos a partir de março pelo The Mail on Sunday. A polícia abrira uma investigação, registrara o endereço de residência dos alunos e interrogara a dois deles. O escândalo foi divulgado pelos jornais a época, mas sem mencionar o nome de Cameron. Depois de confessar que tinha fumado maconha, o líder conservador evitou a expulsão,como aconteceu com sete adolescentes que haviam traficado a droga. Contudo, foi multado, e castigado sem poder sair, sem receber visitas familiares ou amigos, durante duas semanas, e obrigado a copiar cem linhas de poesias em latin, segundo relata o livro. A biografia não autorizada, escrita por Francis Elliot e James Hanning, e que a editora Harper Collins colocará a venda em abril, afirma que Cameron seguiu consumindo drogas de forma "pouco freqüente e moderada" durante os três anos em que freqüentou a Universidade de Oxford. O porta-voz conservador do Meio Ambiente, Peter Ainsworth, declarou ao periódico que "as pessoas têm direito a uma vida privada". Desde que começou sua carreira política, Cameron sempre atuou para incrementar a educação sobre o uso de drogas. No último mês, ele se mostrou tranqüilo com a legalização da maconha para uso terapêutico, recordou o jornal The Observer.Cameron irá enfrentar o sucessor do primeiro-ministro, Tony Blair, em eleições nacionais esperado para 2009. Blair declarou que irá abandonar seu posto em setembro, e o chefe do Tesouro, Gordon Brown, provavelmente irá substituí-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.