Líder da oposição da Ucrânia quer anular eleição

O candidato de oposição à presidência da Ucrânia, Viktor Yushchenko, apresentou ação na Suprema Corte do país pedindo a nulidade dos resultados da eleição presidencial de domingo. Multidões de apoiadores de Yushchenko enchem as ruas da capital, Kiev. Os manifestantes enfrentam o frio e a neve desde o dia da eleição, dizendo que o pleito foi fraudado para garantir a vitória do premier Viktor Yanukovych.Os correligionários de Yushchenko receberam uma injeção de ânimo do fundador do movimento Solidariedade polonês, Lech Walesa, que se disse "maravilhado" com o entusiasmo do povo nas ruas e previu a vitória dos manifestantes. Walesa, que está na Ucrânia como mediador da crise política, disse que se reuniu com Yanukovych, "não como postulante da presidência, mas primeiro-ministro. Se ele é primeiro-ministro, deve unir, não dividir o povo".O resultado oficial do pleito, anunciado ontem, declarou Yanukovych vencedor, por uma margem de três pontos porcentuais, mas observadores internacionais denunciaram fraudes como a intimidação de eleitores, diversos votos depositados por uma mesma pessoa e outras irregularidades. EUA e União Européia declararam o resultado ilegítimo.Não está claro se a ação judicial apresentada por Yushchenko tem base legal. De acordo com a agência Interfax, é possível contestar o resultado de seções eleitorais específicas, não do pleito como um todo.Yushchenko e seus aliados convocaram uma "greve política em toda a Ucrânia". A ameaça de paralisação da infra-estrutura industrial e de transportes pode levar a uma repressão violenta por parte do presidente em final de mandato, Leonid Kuchma. Não há sinais de que uma greve geral esteja em andamento, porém, embora alguns trabalhadores tenham deixado seus postos para participar das manifestações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.