Líder da oposição detido na Venezuela faz greve de fome e convoca protesto

O líder oposicionista detido Leopoldo López começou uma greve de fome, além de convocar uma grande manifestação contra o governo para o próximo fim de semana. O ex-prefeito de Caracas acusou autoridades, em um vídeo enviado no sábado à imprensa, de matar dezenas de pessoas durante os protestos do ano passado, quando mais de 40 mortes foram reportadas, dos dois lados do espectro político do país.

Estadão Conteúdo

24 de maio de 2015 | 11h17

López é mantido em uma prisão militar há mais de um ano, por acusações relacionadas a seu papel nos protestos contra o governo do presidente Nicolás Maduro. O vídeo é divulgado após outra liderança oposicionista, Daniel Ceballos, ser transferido da prisão militar em que estava junto com López, perto de Caracas, para uma cadeia pública distante da capital.

A secretária-assistente de Estado dos EUA, Roberta Jacobson, disse no fim do sábado no Twitter que estava "preocupada" com a transferência de Ceballos sem um mandado judicial e pediu que o governo "liberte todos os prisioneiros políticos.

López convocou protestos grandes e pacíficos para o próximo sábado, além de anunciar que ele e Ceballos estavam começando uma greve de fome, pela libertação dos presos políticos e pelo fim da repressão oficial. Também pediu que seja marcada uma data para as eleições legislativas, que segundo o governo devem ocorrer em alguma data de novembro ou dezembro. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Venezuelapolíticaprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.