Líder da oposição em Israel elogia assassinato de chefe do Hamas

Tzipi Livni diz que morte foi 'boa notícia'; Israel diz que não há provas de envolvimento.

BBC Brasil, BBC

23 de fevereiro de 2010 | 18h12

A líder da oposição israelense e ex-chanceler do país, Tzipi Livni, elogiou nesta terça-feira o assassinato de um dirigente do grupo palestino Hamas em um hotel em Dubai.

Suspeita-se que Mahmoud Al-Mabhouh, um dos fundadores do braço armado do Hamas, tenha sido morto por agentes israelenses, embora o país diga que não há provas de envolvimento.

"O fato de que um terrorista foi assassinado, e não importa se foi em Dubai ou Gaza, é uma boa notícia para os que combatem o terrorismo", disse Livni, durante uma conferência em Jerusalém.

"O mundo inteiro deve combater o terrorismo. Qualquer comparação entre o terrorismo e os que o combatem é imoral", completou a ex-chanceler, atualmente liderando a oposição à frente do partido Kadima.

Suspeitas

Mabhouh foi encontrado morto em seu quarto de hotel no dia 20 de janeiro, tendo sido eletrocutado e sufocado.

Seus assassinos teriam usado falsos passaportes britânicos, alemães e franceses, segundo a polícia de Dubai, que divulgou fotos de suspeitos, nenhum deles preso até agora.

Ainda de acordo com a polícia de Dubai, câmeras de segurança teriam gravado imagens de 18 integrantes de um esquadrão envolvido no crime.

O atual ministro das Relações Exteriores israelense, Avigdor Lierberman, comentando as acusações de envolvimento do Mossad, o serviço secreto do país, disse que "Israel nunca responde, confirma ou nega".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.