Guadalupe Pardo/Reuters
Guadalupe Pardo/Reuters

Líder da oposição no Peru, Keiko Fujimori deixa prisão

Filha do ex-ditador Alberto Fujimori havia sido presa por suspeitas de corrupção vinculadas à Operação Lava Jato

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2019 | 00h51

A líder da oposição peruana Keiko Fujimori saiu da prisão na noite desta sexta-feira, 29, após ficar detida por mais de um ano enquanto aguardava julgamento por suspeitas de corrupção ligadas à construtora Odebrecth. 

Fujimori, líder do poderoso partido de direita Força Popular, deixou a prisão no distrito de Chorrillos, na capital Lima, e foi recebida por centenas de apoiadores e por seu marido, que carregava flores e balões. O Tribunal Constitucional do país, a mais alta corte do Peru, havia ordenado sua libertação na última segunda-feira,  25.

"Vivi o momento mais doloroso da minha vida", disse Fujimori a repórteres, acrescentando que a decisão de libertá-la "corrigiu um processo cheio de abuso e arbitrariedade".

Os promotores alegam que ela liderou uma organização criminosa e recebeu milhões de dólares da Odebrecht, que está no centro de um escândalo de corrupção em toda a região. Fujimori nega as acusações.

Fujimori é filha do ex-presidente do Peru, Alberto Fujimori, que cumpre uma sentença de 25 anos por crimes de violação de direitos humanos e corrupção. Sua libertação ocorre quando o Peru se prepara para as eleições legislativas em janeiro, depois que o presidente Martin Vizcarra dissolveu o Congresso em meio a uma batalha com os parlamentares da oposição por causa de sua campanha anticorrupção.

O partido de Keiko Fujimori havia conquistado maioria no Congresso antes de sua dissolução. O amplo escândalo da Odebrecht varreu a política peruana. No início deste ano, o ex-presidente Alan Garcia se matou para evitar ser preso na investigação.

Vários outros ex-presidentes também estão sob investigação. Fujimori, que ainda enfrenta um eventual julgamento das acusações de corrupção, disse que continuaria a cooperar com o judiciário do Peru. Ela acrescentou que procuraria passar um tempo com sua família antes de tomar decisões sobre outros planos.

"Mais tarde vou decidir o que farei na segunda fase da minha vida", disse ela. "Tive a oportunidade de refletir e também perceber que houve coisas que eu poderia ter feito melhor."/Reuters

 

Tudo o que sabemos sobre:
Peru [América do Sul]Keiko Fujimori

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.