Líder da Otan pede mais 5 mil soldados para Afeganistão

O secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Anders Fogh Rasmussen, pediu que os membros da aliança contribuam com mais tropas para a força internacional no Afeganistão. Ele procurou ressaltar que essa não é apenas uma guerra dos Estados Unidos.

AE-AP, Agencia Estado

02 de dezembro de 2009 | 15h43

Rasmussen disse esperar que os aliados reforcem as tropas lideradas pela Otan em mais de 5 mil soldados. Os comentários dele foram feitos hoje, horas após o presidente dos EUA, Barack Obama, anunciar o envio de mais 30 mil soldados ao território afegão.

Rasmussen disse que a melhor forma de superar a oposição pública à guerra é demonstrar progressos no conflito. Isso pode ocorrer por exemplo com a transferência de controle de partes do país aos próprios afegãos, conforme a segurança melhorar. Segundo ele, a aliança pode entregar o controle de entre 10 e 15 distritos a autoridades afegãs no próximo ano.

Hoje também, o principal comandante dos EUA no Afeganistão, general Stanley McChrystal, disse apoiar o prazo de 18 meses divulgado por Obama para durar o reforço nas tropas.

Segundo McChrystal, nesse período será possível, com o reforço, ampliar a capacidade dos militares afegãos e do governo local. O general notou, porém, que isso dependerá das condições no país.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoguerraOtantropassoldados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.