Alfredo Estrella/AFP
Alfredo Estrella/AFP

Líder de cartel de drogas no México foge de prisão de segurança máxima

Joaquin "El Chapo" Guzmán escapou quase um ano e meio depois de ter sido capturado

O Estado de S. Paulo

12 de julho de 2015 | 10h30

Cidade do México - O líder do cartel de drogas de Sinaloa, no México, Joaquin "El Chapo" Guzmán, escapou da prisão de segurança máxima na região central do México, quase um ano e meio depois de ter sido capturado em uma grande operação de busca pelo país, afirmou o governo neste domingo. Ele cumpria uma sentença de mais de 20 anos.

Em comunicado, a Comissão de Segurança Nacional disse que Guzmán desapareceu das imagens das câmeras de segurança na tarde de sábado na penitenciária federal Altiplano I, no Estado do México, e logo foi constatado que ele não estava em sua cela.

Sua fuga foi então confirmada e uma grande operação de busca foi realizada aos arredores da prisão, incluindo estradas e em estados vizinhos. Todos os voos foram cancelados no aeroporto de Toluca, capital do Estado do México.

Guzmán escapou através de um túnel de 1,5 quilômetro de extensão cavado no espaço do chuveiro dentro se sua cela. É a a segunda vez o chefe do cartel de Sinaloa (conhecido como Cartel do Pacífico), consegue fugir da prisão. O caso já é tratado com um problema para o governo do presidente Enrique Pena Nieto. 

Se o traficante não for capturado imediatamente, provavelmente ele estará de volta no comando e controle total do cartel de Sinaloa em 48 horas, disse Michael S. Vigil, ex-chefe da Administração anti drogas dos EUA para crimes internacionais. "Nós nunca iremos encontrá-lo novamente", disse Vígil. "Todos os elogios que o México recebeu em seus esforços antidrogas serão apagados por este acontecimento", completou. O governo foi amplamente elogiado quando Guzmán, fugitivo mais procurado do México, foi recapturado em fevereiro de 2014. Ele tinha sido pego antes, em 1993, mas escapou da prisão em 2001. 

O Ministério do Interior da Guatemala disse que uma força-tarefa especial de policiais e soldados foi montada para a fronteira com o México, com atenção para qualquer sinal do traficante. Nos EUA, a procuradora-geral Loretta Lynch assinou um comunicado sobre o caso. "O governo dos EUA está pronto para trabalhar com os nossos parceiros mexicanos e prestar toda a assistência que puder para ajudar na captura", disse . Fonte: Dow Jones Newswires e AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.