Líder de culto assassino condenado à forca no Japão

Ex-guru de um culto apocalíptico, Shoko Asahara foi condenado à morte por enforcamento depois de ter sido considerado culpado da autoria intelectual de um ataque com gás nervoso ao metrô de Tóquio e outros crimes que deixaram um total de 27 mortos e alertaram o mundo para o risco do terrorismo de alta tecnologia.Asahara, fundador da seita Aum Shinrikyo, também foi condenado por ter ordenado a seus seguidores que produzissem e armazenassem armas químicas e convencionais. Asahara é a 12ª pessoa condenada à morte pelos crimes da seita, e a decisão não surpreende. Nenhum dos condenados anteriores foi executado.Os advogados apresentaram uma apelação imediata, dizendo que o juiz ignorou testemunhos de que Asahara não estava por trás dos crimes. A apelação poderá se estender por quase uma década, dizem analistas. A defesa argumenta que Asahara - cujo verdadeiro nome é Chizuo Matsumoto - havia perdido o controle da seita quando o gás foi liberado no metrô, matando 12 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.