Líder de fugitivos é sentenciado à morte nos EUA

George Rivas, o líder de uma das maiores fugas de prisão da história do Estado norte-americano do Texas, foi sentenciado hoje à morte pelo assassinato de um policial, momentos antes dele ter declarado que preferia ser executado a viver como um "animal" em uma penitenciária. Rivas foi o primeiro dos sete fugitivos a ser julgado pelo assassinato a tiros do oficial de polícia da cidade de Dallas Aubrey Hawkins, em 24 dezembro do ano passado.Advogados de defesa tentaram conseguir pena de prisão perpétua, argumentando que seu cliente nunca pretendeu assassinar o policial. No entanto, durante a finalização do julgamento, Rivas conclamou os jurados a sentenciá-lo à morte. "O que vocês chamam de pena de morte, eu chamo de liberdade", disse ele com emoção. "Eu finalmente poderei ser livre. Estou dizendo a vocês que não quero outra sentença de prisão perpétua".Tanto a promotoria como a defesa citaram em seus argumentos o desejo de Rivas de morrer. Para o advogado Wayne Huff, uma sentença de prisão perpétua seria pior que a morte para o seu cliente, que passaria 23 horas por dia em isolamento.Antes da fuga, ocorrida em 13 de dezembro, Rivas estava cumprindo 17 sentenças de prisão perpétua por roubo armado e seqüestro. Durante a fuga, que gerou uma caça nacional, o grupo da Colônia Penal de Kenedy realizou três roubos armados, incluindo o que resultou na morte do policial.Com cerca de US$ 70.000 em dinheiro e cheques, 44 armas e roupas de inverno roubadas, cinco dos sete homens viveram por cerca de um mês em um estacionamento de trailer em Woodland Park Colorado. Um vizinho reconheceu os fugitivos depois de assistir a um programa de televisão que divulga fotos de procurados e chamou a polícia.Em 22 de janeiro deste ano, um time da SWAT deteve Rivas, Joseph Garcia e Michael Rodriguez em uma loja de conveniência. Randy Halprin entregou-se no trailer, onde Larry Harper se suicidou.Patrick Murphy e Donald Newburry, que haviam realizado sua própria fuga, entregaram-se dois dias depois em um motel próximo a Colorado Springs.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.