Líder de golpe no Mali diz que ex-governantes estão bem

O líder do golpe de Estado no Mali, afirmou nesta sexta-feira que os membros do governo, detidos por militares, estão fora de perigo e em breve serão entregues ao sistema judiciário do país. "Essas pessoas estão fora de perigo. Não tocaremos num fio de cabelo de suas cabeças. Eu vou entregá-las aos tribunais para que o povo malinês saiba a verdade", disse o capitão Amadou Sanogo em entrevista à agência France Presse.

AE, Agência Estado

23 de março de 2012 | 11h47

As declarações foram feitas num quartel militar localizado a 15 quilômetros da capital Bamako. Sanogo estava cercado por soldados rasos, que parecem ser a espinha dorsal do golpe, já que há poucos oficiais dentre os líderes golpistas.

Foi neste quartel em Kati que o motim teve início na quarta-feira, resultando num golpe após meses de irritações com a resposta do governo à rebelião tuaregue no norte do país.

Soldados atacaram o palácio presidencial. Imagens transmitidas pela televisão estatal mostram que há vários buracos de bala no local e que uma parte do prédio está enegrecida pelo fogo. A emissora também está em poder dos líderes do golpe.

Sanogo condenou os saques realizados por soldados após o golpe. "Eu peço à população que nos desculpe por qualquer inconveniência causada e peço que interrompam os saques", disse ele, afirmando que atos de vandalismo também foram realizados por pessoas com "más intenções", que vestiram uniformes e participaram dos saques.

Rebeldes tuaregues

Os rebeldes tuaregues divulgaram em seu site nesta sexta-feira que tomaram uma cidade do norte do país, um dia depois de soldados amotinados terem declarado um golpe na capital do Mali.

O Movimento Nacional para a Libertação de Azawad disse em comunicado que se transferiu para a cidade de Anefis, sem resistência. A cidade fica entre os estratégicos postos avançados de Gao e Kidal, no norte do país. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Maligolpetuaregues

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.