Tyrone Siu/Reuters
Tyrone Siu/Reuters

Líder de Hong Kong se desculpa novamente por lei de extradição

Carrie Lam disse que ouviu o povo 'em alto e bom som'

Reuters, O Estado de S.Paulo

18 de junho de 2019 | 06h01

HONG KONG - A líder de Hong Kong Carrie Lam se desculpou novamente nesta terça-feira, 18, por apoiar a lei de extradição para a China continental. Após protestos violentos na cidade, Lam disse que ouviu o povo "em alto e bom som".

A lei abria a possibilidade de extradição de pessoas para o a China continental, que controla Hong Kong. Cerca de dois milhões de pessoas foram às ruas protestar nesse domingo, 16.

Lam tem o apoio de Pequim. Ela disse que não havia prazo recomeçar as discussões sobre a lei, e que não o faria caso o governo não conseguisse resolver o impasse com a população.

Muitos acusam a China de tentar aumentar seu controle sobre a população da cidade, uma vez que as cortes judiciais chinesas são fortemente controladas pelo Partido Comunista. Desde que a emenda foi proposta, em fevereiro, Lam rechaçou as preocupações levantadas por grupos empresariais, advogados, juízes e governos estrangeiros contra a lei.

Críticos afirmam que a lei de extradição prejudicaria o estado de direito em Hong Kong, garantido pela fórmula "um país, dois sistemas". Isso porque os extraditados para a China ficariam impedidos de receber um julgamento justo.

Lam já havia publicado um pedido de desculpas por escrito no domingo, mas foi insuficiente para pacificar o ânimo dos protestantes, que duvidavam de sua capacidade para governar Hong Kong.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.