Líder de milícia afegã aceita resultado da eleição

Sob pressão das Nações Unidas e da União Européia, outro importante líder afegão, o general usbeque Abdul Rashid Dostum, que comanda uma milícia particular, anunciou que não vai rejeitar o resultado da apuração das eleições presidenciais de sábado (com início previsto para amanhã) no Afeganistão, apesar das denúncias de fraudes. Em conseqüência dessas denúncias, os 15 candidatos que concorriam com o presidente interino, Hamid Karzai, incluindo Dostum, renunciaram e deixaram claro que não iriam aceitar o resultado (favorável a Karzai, único candidato a se manter no pleito). Por causa ainda das queixas de irregularidades a apuração sofreu sucessivos adiamentos e deve começar amanhã em Cabul, que já recebeu todas as urnas. Além do general usbeque, reconsideram a decisão de negar legitimidade ao resultado outros ex-candidatos expressivos, como Yunis Qanuni, Mohamed Mohaqeq e Masuda Jalal, única mulher a postular a presidência afegã. "Dostum está disposto a reconhecer o resultado, mas exige uma apuração completa das irregularidades", disse um porta-voz do general. O prazo para apresentação de queixas à comissão eleitoral afegã expirou na terça-feira. Segundo fontes diplomáticas ocidentais, a comissão eleitoral afegã e a comissão formada pela ONU e UE entraram em contato com especialistas europeus para apurar eventuais irregularidades.

Agencia Estado,

13 Outubro 2004 | 18h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.