EFE/Will Oliver
EFE/Will Oliver

Líder de partido independentista pede a britânicos ‘Dia da Independência’ da UE

Nigel Farage, líder do Ukip, publicou um vídeo em sua conta no Twitter em que diz que país é ‘suficientemente valente para tomar as próprias decisões’ e que tem uma história muito rica

O Estado de S. Paulo

23 Junho 2016 | 15h53

LONDRES - O político britânico Nigel Farage, líder do eurofóbico Partido da Independência do Reino Unido (Ukip), publicou em sua conta oficial no Twitter um vídeo em que garante que nesta quinta-feira, 23, dia em que os britânicos votam em um referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, é o “Dia da Independência” do país.

No vídeo, narrado pelo próprio Farage, o político diz que o Reino Unido é “um país valente com uma história muito rica”, ao mesmo tempo em que mostra imagens de alguns dos momentos mais icônicos da história britânica recente.

“Há pessoas que acreditam que nossos melhores dias são coisas do passado, que somos pequenos e fracos demais para ter presença no cenário mundial. Perderam a fé em seu país e em sua habilidade para que tenhamos sucesso. Acreditam que é melhor que outras pessoas tomem decisões por nós”, afirmou o político britânico.

Na mesma gravação, Farage acrescenta que aqueles que pensam assim “estão equivocados” ao destacar que este é “um grande país, orgulhoso e valente, com uma histórica muito rica de empreendedores e de excelência esportiva”.

“Somos suficientemente importantes para estarmos sozinhos e para sermos protagonistas no mundo. E também somos suficientemente valentes para tomar nossas próprias decisões”, afirmou.

“Viver sobre nossas próprias leis, nos culparmos por nossos fracassos e obter nosso próprio sucesso. Tal e como fazem nossos amigos na Austrália e no Canadá, e em qualquer democracia de verdade no mundo. Vamos crer em nós mesmos e fazer do dia 23 de junho o Dia da Independência”, concluiu Farage.

O dirigente do Ukip, de 52 anos, depositou nesta manhã seu voto no referendo sobre o futuro do Reino Unido na União Europeia em um colégio eleitoral próximo a sua casa no norte do condado de Kent, ao sul de Londres.

Durante o debate dos últimos meses no país sobre o referendo, o polêmico político foi muito criticado por apresentar, para promover sua mensagem favorável ao Brexit - a saída britânica da UE -, cartazes xenófobos na reta final da campanha. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.