Angelos Tzortzinis/ AFP
Angelos Tzortzinis/ AFP

Líder de partido neonazista grego é condenado a 13 anos de prisão

Nikos Michaloliakos, principal nome do Aurora Dourada, foi declarado culpado por dirigir uma ‘organização criminosa’

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2020 | 09h59

ATENAS - O líder do partido neonazista Aurora Dourada, Nikos Michaloliakos, foi condenado nesta quarta-feira, 14, a 13 anos de prisão pela Justiça da Grécia. O Tribunal Penal de Atenas declarou Michaloliakos culpado por dirigir uma "organização criminosa".

Outro líder do partido, o eurodeputado Ioannis Lagos, também foi condenado a 13 anos de prisão e perderá a imunidade parlamentar a pedido da Grécia, após a emissão da ordem de prisão.

O tribunal seguiu as recomendações do Ministério Público e também condenou a 13 anos de prisão o ex-porta-voz do partido, Ilias Kassidiaris, e o deputado Christos Pappas, braço-direito de Michaloliakos. Outros dois dirigentes do partido receberam a mesma pena de prisão: os ex-deputados Ilias Panagiotaros e Georgios Germenis.

Artemis Matthaiopulos, ex-genro de Michaloliakos, foi o único réu condenado a uma pena menor que a solicitada pelo MP e recebeu uma sentença de 10 anos de prisão.

Como estava previsto, o tribunal também condenou Yorgos Rupakias, um membro do Aurora Dourada, à prisão perpétua pelo assassinato do rapper antifascista Pavlos Fyssas, em 2013.

O assassinato provocou uma grande comoção na Grécia e obrigou as autoridades a iniciar um processo contra o partido neonazista, responsável por assassinatos e atos de violência contra migrantes e ativistas de esquerda desde os anos 1990, mas que havia gozado até então de uma impunidade quase total.

Na segunda-feira, 12, a justiça grega rejeitou todas as circunstâncias atenuantes que poderiam ter reduzido as condenações dos líderes do Aurora Dourada.

Após cinco anos e meio de audiências, o tribunal penal de Atenas qualificou na semana passada o partido como uma "organização criminosa", um veredicto "histórico", segundo a presidente do país e a maior parte da classe política.

Cinquenta dos 68 processados foram declarados culpados de "dirigir ou integrar” uma organização criminosa, assassinato, agressões ou posse ilegal de armas.

O longo processo judicial provocou o declínio progressivo do Aurora Dourada, terceira força política do país em 2015, que não conquistou nenhuma cadeira no Parlamento nas eleições legislativas de julho de 2019./ AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.