REUTERS/Sergio Perez
REUTERS/Sergio Perez

Líder socialista espanhol descarta acordo com grupo de direita antes da votação

Pedro Sánchez disse em entrevista que não apoiará ou apostará ‘em nenhum governo liderado pelo PP ou Rajoy’

O Estado de S. Paulo

20 Junho 2016 | 15h27

MADRI - O líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), que caiu para a terceira colocação nas pesquisas de intenção de voto para as eleições parlamentares de domingo, descartou um pacto de coalizão com o direitista Partido Popular (PP) e com o líder da legenda antiausteridade Podemos.

Algumas sondagens vêm indicando que uma coalizão entre o PSOE e o Podemos conquistaria assentos suficientes para a formação de uma maioria parlamentar de esquerda e encerraria o impasse político de seis meses.

Mas o líder socialista Pedro Sánchez disse em uma entrevista a uma rádio nesta segunda-feira, 20: "Não iremos apoiar ou apostar em nenhum governo liderado pelo PP ou (o primeiro-ministro interino Mariano) Rajoy, e (o líder do Podemos, Pablo) Iglesias não será primeiro-ministro".

A eleição de domingo se segue a uma votação de dezembro da qual nenhum partido saiu com condições de formar um governo e que levou a uma sucessão de conversas internas nas legendas que não produziu uma coalizão viável.

Assim como seis meses atrás, o PP deve ser o vencedor, mas novamente bem distante de uma maioria suficiente para governar sozinho.

Pesquisas mostraram que, se o Podemos e o Unidos Podemos dividissem espaço na cédula de votação, a coalizão provavelmente superaria o PSOE como principal adversário do PP, de Rajoy, no próximo pleito. Podemos ficou em terceiro lugar na eleição de dezembro. /Reuters

Mais conteúdo sobre:
Espanhaeleiçõesacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.