Jerome Favre / EFE
Jerome Favre / EFE

Líder de protestos em Hong Kong anuncia candidatura

O ativista chegou a ser condenado por seu papel nas manifestações de 2014 e ficou dois meses preso no primeiro semestre deste ano

Agência Ansa, ANSA

28 de setembro de 2019 | 11h19

PEQUIM - O ativista Joshua Wong, um dos líderes dos protestos pró-democracia em Hong Kong, anunciou neste sábado, 28, que disputará as eleições locais do próximo mês de novembro. A notícia chega no aniversário de cinco anos da Revolução dos Guarda-Chuvas, movimento liderado por Wong que ocupou o centro de Hong Kong por 79 dias em 2014 para pedir eleições livres no território.   

O ativista chegou a ser condenado por seu papel nas manifestações daquele ano e ficou dois meses preso no primeiro semestre deste ano. Após sair da cadeia, se juntou aos protestos contra a governadora de Hong Kong, Carrie Lam

Wong, 22 anos, disse que vai disputar uma vaga em um conselho distrital em novembro e que a votação será crucial para mostrar à China que os habitantes de Hong Kong estão dispostos a lutar por mais direitos.   

"Cinco anos atrás, dissemos que voltaríamos, e agora nós estamos de volta ainda mais determinados", disse o ativista em uma coletiva de imprensa. O jovem, no entanto, pode ser declarado inelegível por causa de seu apoio à autodeterminação do território. 

A onda de protestos em Hong Kong já dura cerca de cinco meses e teve início por conta de uma lei que autorizava a extradição de suspeitos de crimes para a China continental, mas logo se tornou um movimento por eleições livres e contra o governo de Carrie Lam, que é apoiada por Pequim.   

Os manifestantes voltaram às ruas neste sábado e ocuparam o Parque Tamar, em mais um ato marcado pela repressão da polícia. Os agentes usaram sprays de pimenta e canhões de água para dispersar a multidão, que reagiu com coquetéis molotov. Ansa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.