Líder de sindicato é alvo de atentado na África do Sul

Um dirigente local do Sindicato Nacional dos Mineiros da África do Sul (NUM) ficou ferido quando sua casa foi atingida por um coquetel Molotov. "O NUM ficou chocado ao saber do ataque ao presidente de sua sessão na mina de Khomanani, da Angloplatinum, na sexta-feira à noite, quando sua casa foi algo de uma bomba de gasolina. Ele escapou com ferimentos sérios e está na unidade de cuidados intensivos de um hospital local", diz o comunicado do sindicato.

AE, Agência Estado

30 de setembro de 2012 | 12h34

O ataque aconteceu na região de exploração de platina de Rustenburg, no Noroeste da África do Sul. O setor de mineração do país está no meio de uma série de greves turbulentas, que incluiu a paralisação de seus semanas na mineradora de platina Lonmin, na qual um conflito entre grevistas e a polícia deixou 46 trabalhadores mortos.

A violência vem sendo atribuída em parte à rivalidade entre o NUM, tradicional aliado do partido governista Congresso Nacional Africano, e dissidentes que acusam a liderança do sindicato de peleguismo - de ter ficado próxima demais do governo e das empresas, em detrimento dos interesses dos trabalhadores.

A Angloplatinum (Amplats), maior mineradora de platina do mundo e subsidiária da AngloAmerican, teve suas operações paralisadas e os grevistas exigem um salário mensal de 16 mil rands (US$ 1.924). A greve na Amplats começou em 12 de setembro e é ilegal pelas leis trabalhistas sul-africanas.

Nesta segunda-feira, dirigentes do NUM devem se reunir com representantes da central sindical Cosatu, a maior do país. Neste sábado, o secretário-geral da Cosatu, Zwelinzima Vavi, visitou uma mina da Gold Fields, onde a maioria dos trabalhadores está em greve há três semanas. A empresa tem um acordo coletivo negociado entre o NUM e a Câmara das Minas, mas os grevistas exigem um aumento imediato dos salários.

"Parece que não temos escolha senão abrir negociações agora, ir à mesa e resolver o problema. E o problema é que os trabalhadores ganham muito pouco", disse Vavi à emissora pública SAFM. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
sindicatoÁfrica do Sulatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.