Líder denuncia projeto de ´Estado do Hezbollah´ no Líbano

O líder druso Walid Jumblatt advertiu nesta quarta-feira, 10, que a fisionomia do Líbano pode mudar se for colocado em prática um projeto sócio-cultural e econômico do movimento xiita Hezbollah, que se manifesta agora através da compra em massa de terrenos em algumas áreas do país.Jumblatt explicou em entrevista ao jornal L´Orient-Le Jour que o Hezbollah está comprando terrenos, utilizando pseudônimos, sobretudo nas regiões de Aley e Jezin, para assegurar uma continuidade territorial ao "Estado que existe na prática". O território se estenderá do sul do país, passando por Bekaa e Hermén, até os bairros do sul de Beirute."Cada aldeia, cada aglomeração xiita se transformou atualmente em um bastião militar", afirmou. Jumblatt considera que o fato de que haja cristãos aliados atualmente com o Hezbollah, como o popular Michel Aoun, não significa nada, pois são "meros comparsas"."Quando se tem uma economia, um Exército e serviços de inteligência paralelos, como o Hezbollah tem, é possível se apoderar do Estado", ressaltou.Jumblatt acusou o Hezbollah de se submeter a um projeto que é iraniano e que "começa no Líbano, passa pela Síria, controlada totalmente pelo Irã e por um Iraque deslocado".Para o líder druso-libanês, o mais revelador são as palavras do Líder Supremo iraniano, Ali Khamenei, que não fala de "xiitas libaneses", mas de "xiitas do Líbano", o que quer dizer que "devem depender cultural, econômica e militarmente do Irã"."Na época de Saddam Hussein havia um bastião árabe frente aos persas, agora isso não existe mais", lamentou Jumblatt, que confia em que a Turquia tome algum dia esse caráter de "bastião".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.