SITE Intelligence Group via The New York Times
SITE Intelligence Group via The New York Times

Líder do Estado Islâmico aparece em vídeo pela primeira vez em 5 anos

Em mensagem para seus seguidores, cuja data de gravação não é conhecida, Abu Bakr al-Baghdadi diz que batalha pelo último reduto do grupo no leste da Síria está encerrada

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2019 | 13h53

BAGDÁ - O líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, reapareceu nesta segunda-feira, 29, em um vídeo divulgado na internet e cuja veracidade não pôde ser comprovada, afirmando que "a batalha do Islã contra os cruzados é longa", apesar da derrota do grupo terrorista na Síria em março.

O autoproclamado "califa" aparece sentado no chão, sobre almofadas e com as pernas cruzadas, com cabeça coberta por um lenço preto, e ao seu lado é possível ver um fuzil apoiado na parede de um quarto, onde também estão outros homens não identificados. Bagdadi, de 47 anos, exibia uma longa barba grisalha que parecia tingida de hena e falava devagar, muitas vezes parando por vários segundos no meio de suas frases.

Baghdadi se refere ao último reduto do EI na Síria, a cidade de Al Baghuz, de onde os jihadistas foram expulsos em março, o que pôs fim ao "califado" que o grupo radical proclamou em 2014 nos territórios que controlava naquele país e no Iraque.

"A batalha de Al Baghuz terminou, e nela ficou evidente a barbaridade dos cruzados contra a nação muçulmana, ao mesmo tempo em que ficou evidente a paciência e a coragem da nação muçulmana, que arrancou o coração dos cruzados", declarou Baghdadi, olhando para seus acompanhantes, e não para a câmera.

Além disso, ele agradeceu pelos sacrifícios de todos os "mártires" que morreram nessa e em outras batalhas, e comentou que o EI realizou um total de 92 operações em 8 países, sem especificar as datas.

Segundo Baghdadi, essas "conquistas" foram uma "vingança para os irmãos do Levante" (Oriente Médio) e "reafirmam a unidade nas fileiras dos jihadistas, sua determinação e consciência do que a luta exige e seu entendimento da realidade que vivem".

Baghdadi também deu sua "bênção" ao juramento de lealdade ao EI dos "irmãos de Mali e Burkina Faso", aos quais pediu que "intensifiquem seus ataques contra a França cruzada e seus aliados, e vinguem seus irmãos no Iraque e no Levante".

Al-Baghdadi, líder do autoproclamado "califado" jihadista em 2014, declara que "a batalha por Baghuz acabou", em referência à ação do último grupo ultrarradical no leste da Síria, e que caiu em 23 de março.

Aparição

Ele apareceu pela primeira vez em público em Mossul, em 2014, onde declarou um "califado" islâmico nas faixas do território do EI que controlavam na Síria e no Iraque.  Desde então, ele foi considerado morto ou ferido várias vezes. 

Sua última gravação em áudio dirigida a seus seguidores foi divulgada em agosto, oito meses depois que o Iraque anunciou a derrota do EI.  / EFE e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.