Líder do Exército tailandês pede unidade contra novo golpe

O chefe do Exército tailandês e líder do golpe de Estado de setembro, general Sonthi Boonyaratglin, pediu nesta sexta-feira unidade às Forças Armadas do país, num discurso transmitidopela televisão. O pedido foi feito devido aos boatos sobre umnovo golpe militar."Nas Forças Armadas precisamos de unidade. Acho que, se tivermosuma boa relação e bom espírito, não haverá um golpe", declarou ogeneral Sonthi, presidente do Conselho de Segurança Nacional, órgão que supervisiona a gestão do governo provisório.Na noite de quinta-feira, o conselho militar da Tailândia pediu calma, após o alarme gerado pelos crescentes boatos sobre um golpe de Estado para derrubar os chefes militares que depuseram o primeiro-ministro Thaksin Shinawatra."Pedimos a todos que tenham calma, não dêem ouvidos aos boatos econfiem na nossa habilidade para controlar a situação. O chefe do Exército, o general Sonthi Boonyaratglin, garante que a situação é normal" disse o conselho militar numa mensagem divulgada pela televisão estatal.Desde os atentados com bomba, horas antes do Ano Novo, sãointensos em Bangcoc os boatos sobre uma intervenção militar porparte de um setor das Forças Armadas leal a Shinawatra.O primeiro-ministro interino, o general Surayud Chulanond, apoiou a versão do conselho militar de que os atentados foram cometidos por "oficiais renegados" do Exército e da polícia. Ele disse à Assembléia Nacional que "durante algum tempo haverá ações como estas".Três pessoas morreram e cerca de 40 foram feridas nas explosõesem pontos de ônibus e em acessos a shoppings de diferentes bairros da capital tailandesa.As autoridades militares suspeitam que os autores dos atentadosestejam ligados ao setor político afastado do poder pelo golpe de Estado de 19 de setembro.Em carta manuscrita, o ex-primeiro-ministro Shinawatra negouqualquer ligação com os atentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.