Líder do Fatah será incluído em troca de presos, diz Haniyeh

O primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, anunciou nesta segunda-feira, 16, que Marwan Barghouthi, líder do Fatah, está numa lista de prisioneiros que o grupo Hamas pretende trocar por um soldado israelense sequestrado na Faixa de Gaza. A declaração contradiz a do vice-primeiro-ministro Azzam Al Ahmad, também do Fatah, segundo quem Barghouthi, considerado um possível sucessor do presidente Mahmoud Abbas, teria ficado de fora da troca. "Posso lhes confirmar que a lista (de prisioneiros) incluía o nome de Marwan Al Barghouthi", disse Haniyeh, dirigente do Hamas, durante um protesto semanal de parentes de palestinos presos em Israel. O Hamas, um dos três grupos que assumiram a responsabilidade pela captura do soldado Gilad Shalit, em junho, disse há uma semana que as exigências para a libertação dele foram entregues a Israel por mediadores egípcios. Barghouthi, deputado da Cisjordânia ocupada, foi condenado em 2004 pela Justiça israelense por causa da morte de quatro israelenses e de um monge ortodoxo grego em ataques de militantes. Ele cumpre cinco penas de prisão perpétua. "Todos os países falaram de Shalit, mas quem sabe os nomes dos 11 mil palestinos prisioneiros em cadeias israelenses, quem os menciona, quem menciona o sofrimento da sua gente?", disse Haniyeh na manifestação. "Por que tal política dúbia mesmo falando de uma questão humanitária?" A liberdade para os presos palestinos de Israel - especialmente os que cumprem longas penas - é um tema altamente emotivo para os palestinos. Da mesma forma, muitos israelenses se opõem à libertação antecipada de pessoas envolvidas em atentados. Um ministro do Hamas disse na semana passada que havia aproximadamente 1.400 nomes na lista de prisioneiros apresentada a Israel. Desde a vitória do grupo islâmico Hamas sobre o Fatah, em janeiro de 2006, há especulações recorrentes - alimentadas por declarações de algumas autoridades israelenses - de que Barghouthi poderia receber clemência, numa iniciativa de Israel para promover um novo parceiro para a paz. Mas o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, questionado numa recente entrevista se Barghouthi merecia ser parte de uma troca de presos, respondeu que não. Em uma nova declaração, o Hamas pediu aos grupos militantes que busquem capturar mais soldados israelenses para que sejam trocados por presos palestinos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.