Líder do Hezbollah afirma que soldados americanos 'voltarão para casa em caixões'

Líder do Hezbollah afirma que soldados americanos 'voltarão para casa em caixões'

Grupo apoiado pelo Irã faz ameças após morte de general Qassim Suleimani

Laila Bassam e Nadine Awadalla, Reuters

05 de janeiro de 2020 | 13h44

BEIRUTE - O líder do Hezbollah Sayyed Hassan Nasrallah disse neste domingo, 5, que os militares dos Estados Unidos no Oriente Médio pagariam o preço pela morte do general iraniano Qassim Suleimani. Ele afirmou que os soldados e oficiais americanos voltariam para casa em caixões.

Em um discurso sobre a morte de Suleimani, Nasrallah declarou que responder ao assassinato não é apenas responsabilidade do Irã, como também responsabilidade de seus aliados. Mas os civis americanos não devem ser alvos, afirmou ele.

Fundada pelos Guardas Revolucionários Iranianos em 1982, o grupo libanês Hezbollah é  parte crítica da aliança militar regional apoiada pelo Irã. A família de Qassim Suleimani já havia afirmado que o grupo vingaria a morte do comandante iraniano.

Suleimani, alto comandante militar do Irã, foi morto na sexta-feira, 3, em um ataque americano que lançou as hostilidades entre Washington e Teerã em território inexplorado e levantou a sombra de um conflito mais amplo no Oriente Médio.

"A punição justa será destinada à presença militar americana presentes na região: bases militares e navais, navios e cada oficial e soldados americano que está nos nossos países e região", disse Nasrallah.

"O exército americano foi que o matou e é o que pagará o preço", disse Nasrallah, acrescentando que os civis americanos na região "não devem ser tocados", porque isso serviria à agenda do presidente dos EUA, Donald Trump.

"Quando os caixões dos soldados e oficiais americanos começarem a serem transportados de volta para os Estados Unidos, Trump e sua administração vão perceber que realmente perderam (o controle sobre a) região e vão perder as eleições", disse Nasrallah, referindo-se à votação para presidente nos EUA em 2020.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.