Líder do Irã atribui decapitações no Iraque a EUA e Israel

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, acusou agentes a mando dos Estados Unidos e Israel de estar por trás da onda de seqüestros e decapitações no Iraque, e não os muçulmanos, informou a agência de notícias Irna. Khamenei também qualificou os atos como "terrorismo" e disse que o combate a esse "terrível fenômeno" é "de grande importância". Durante encontro oficial em Teerã com o primeiro-ministro de Cingapura, Goh Chok Tong, Khamenei declarou: "Nós suspeitamos seriamente de que agentes americanos e israelenses estejam conduzindo esses terríveis atos terroristas, e não posso acreditar que as pessoas que seqüestram cidadãos filipinos, por exemplo, ou seqüestram americanos sejam muçulmanas". A Irna, agência oficial de notícias do governo iraniano, não entrou em detalhes sobre as declarações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.