Líder do Irã diz que programa nuclear é "irreversível"

O líder religioso supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, disse nesta terça-feira que o programa nuclear do seu país é "irreversível" e advertiu que qualquer pressão internacional irá "acabar com a independência do Irã". O tom de desafio de Khamenei, que tem a palavra final em todos os assuntos de Estado do Irã, colocou Teerã em rota de colisão com o Ocidente enquanto os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança (CS) da ONU debatem a maneira correta de lidar com as atividades nucleares iranianas. Após a reunião desta terça-feira, o CS ainda está dividido sobre o quão forte será o julgamento contra o programa nuclear iraniano. Um plano conjunto da Grã-Bretanha e França exige que o Irã pare imediatamente o enriquecimento de urânio. Os comentários de Khamenei fazem cair por terra as esperanças de um acordo entre Irã e Rússia. Teerã tem dado informações conflitantes sobre o acordo com a Rússia, uma hora dizendo que não há mais nada para conversar e logo após confirmando que as negociações estão caminhando. Em um discurso televisionado, o presidente Mahmoud Ahmadinejad reafirmou que irá resistir à pressão do CS quanto ao programa nuclear dizendo que "nenhum poder" pode tirar a tecnologia nuclear do Irã. Em outro sinal de que Teerã está se preparando para o pior, autoridades proibiram os editores dos jornais iranianos de criticarem o governo em seus editoriais. A informação foi passada à Associated Press na condição de não serem reveladas as fontes. Apesar do programa nuclear iraniano ser motivo de orgulho entre a população local, vários manifestantes tem criticado o papel internacional que Ahmadinejad tem apresentado. Os Estados Unidos e alguns países europeus acusam o Irã de estar fabricando armas nucleares. Teerã nega a acusação, dizendo que seu programa visa somente a obtenção de energia. Os aliados dos Estados Unidos e da Europa exigem que o Irã pare com toda e qualquer atividade nuclear.

Agencia Estado,

14 Março 2006 | 17h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.