Líder do Partido Trabalhista da Nova Zelândia renuncia

O líder do Partido Trabalhista, David Cunliffe, anunciou que está deixando o posto neste sábado, após sofrer uma derrota na eleição parlamentar na última semana. Apesar da decisão, ele afirmou que ainda planejava competir contra outros candidatos nas primárias para tentar ganhar a liderança de volta.

AE, Estadão Conteúdo

27 de setembro de 2014 | 11h00

O anúncio foi feito uma semana depois de o Partido Trabalhista sofrer seu pior resultado eleitoral em mais de 90 anos, ganhando menos de 25% dos votos. O primeiro-ministro John Key retornou ao cargo por um terceiro mandato após o Partido Nacional ganhar 48% dos votos.

Em um comunicado, Cunliffe disse que assumiu a responsabilidade pela derrota, mas também enfatizou que ele só tinha se mantido no cargo por um ano. Ele afirmou que o Partido precisava de uma reformulação completa antes da próxima eleição.

"Precisamos renovar e reconstruir nossa cultura, prestação de contas, a maneira como fazemos as coisas e as apresentamos ao mundo", disse ele. "Conseguir isso em tempo para a eleição de 2017 vai exigir liderança experiente e determinada com um amplo mandato".

As regras do Partido Trabalhista exigem a realização de uma primária com votação ponderada para a liderança entre líderes partidários, membros e afiliados. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Nova Zelândiapolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.