Doug Mills/The New York Times
Doug Mills/The New York Times

Líder do processo de impeachment convida, mas Trump se nega a testemunhar sob juramento no Senado

Convite era opcional e, embora o Senado pudesse votar para intimar o testemunho do republicano, fazê-lo implicaria em questões legais e políticas espinhosas

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de fevereiro de 2021 | 16h35
Atualizado 04 de fevereiro de 2021 | 18h55

WASHINGTON - O ex-presidente americano Donald Trump não testemunhará no seu julgamento de impeachment no Senado na próxima semana, disse seu porta-voz em um comunicado nesta quinta-feira. “O presidente não testemunhará em um processo inconstitucional”, afirmou Jason Miller. 

O comunicado foi divulgado depois que o gerente do processo de impeachment, o deputado democrata Jamie Raskin, pediu oficialmente, em uma carta, nesta quinta-feira, 4, que o repubicano testemunhe sob juramento sobre seu envolvimento nos eventos que levaram ao motim e invasão do Capitólio em 6 de janeiro. Trump é acusado de instigar a insurreição. 

“Sua carta apenas confirma o que é conhecido de todos: você não pode provar suas alegações contra o 45º Presidente dos Estados Unidos, que agora é um cidadão comum”, disseram os advogados de Trump Bruce L. Castor Jr. e David Schoen em uma carta-resposta enviada a Raskin. 

O pedido de Raskin foi feito dois dias depois que a equipe jurídica do ex-presidente entrou com os papéis no Senado contestando muitas das alegações apresentadas pelos "promotores" do processo que agora está no Senado e já foi aprovado pela Câmara dos Deputados. 

Raskin convidou Trump a testemunhar antes ou durante seu julgamento de impeachment, que está programado para começar no Senado na terça-feira, 9 – com a recomendação de que ele o faça entre segunda-feira, 8, e quinta-feira, 11.

O deputado democrata havia dito que se Trump não concordasse com o  testemunho, os líderes usariam sua recusa contra ele no julgamento. “Se você recusar este convite, nos reservamos todos e quaisquer direitos, incluindo o direito de estabelecer no julgamento que sua recusa em testemunhar apoia uma forte inferência adversa sobre suas ações (e inação) em 6 de janeiro de 2021”, advertiu Raskin em sua carta.

Na carta, Raskin apontou que os ex-presidentes Gerald Ford e Bill Clinton testemunharam perante o Congresso enquanto estavam no cargo, portanto, não havia dúvida, segundo ele, de que o republicano poderia testemunhar nesse processo. 

Raskin também apontou que, uma vez que Trump não está mais no cargo e a Suprema Corte já decidiu que o presidente não está imune a procedimentos legais por decisões que tomou durante seu mandato, ele não tinha desculpa para recusar. 

O convite era opcional e, embora o Senado pudesse votar para intimar o testemunho do republicano, fazê-lo implicaria em questões legais e políticas espinhosas. Trump nunca se esquivou de se defender, mas, de acordo com o New York Times, seus advogados estavam inclinados a não permitir o registro do testemunho em um caso que eles acreditam já estar encaminhado para absolvição./W. Post e NYT

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.