Líder do Sendero Luminoso passa por novo julgamento

O novo julgamento de Abimael Guzmán, fundador do grupo guerrilheiro maoísta Sendero Luminoso, começou com o ex-professor de filosofia, de 69 anos, erguendo o punho em um gesto de desafio. Pouco depois da abertura dos procedimentos, a Justiça peruana suspendeu o julgamento até a próxima sexta-feira, porque o líder guerrilheiro e sua cúpula começaram a gritar frases a favor do comunismo."Viva o Partido Comunista Peruano", "Glória ao marxismo, leninismo, maoísmo", Viva os heróis do povo", gritaram Guzmán e seus companheiros até que o juiz Dante Terrel ordenou a retirada dos réus. Horas antes do início do julgamento, Manuel Fajardo, advogado de Guzmán, disse à Associated Press que tanto ele quanto seu cliente se recusariam a falar durante a audiência, por considerá-la ilegal. "Nós questionamos a constitucionalidade da lei antiterrorismo. Nós questionamos a existência desse tribunal especial. Nós questionamos a legalidade de suas punições draconianas", disse Fajardo. Em 1992, Guzmán foi condenado à prisão perpétua por um tribunal militar secreto. No ano passado, a Corte Constitucional do Peru determinou que os tribunais secretos eram ilegais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.