Líder do Taleban paquistanês foi morto, diz comandante

A morte do líder do Taleban paquistanês, Baitullah Mehsud, foi confirmada hoje por um de seus comandantes subordinados, Kafayat Ullah. Pela manhã,o ministro das Relações Exteriores do Paquistão, Shah Mahmood Qureshi, havia dito que funcionários do governo viajariam à região para confirmar a morte do líder taleban em decorrência de um bombardeio promovido, há dois dias, contra a residência de seu sogro em Waziristão do Sul, uma área tribal semiautônoma no noroeste do Paquistão. Fontes nos serviços secretos do Paquistão e dos Estados Unidos afirmaram que a Agência Central de Inteligência americana (CIA, por suas iniciais em inglês) estaria por trás do bombardeio.

AE-AP, Agencia Estado

07 de agosto de 2009 | 20h37

Os EUA ainda não confirmaram a morte de Mehsud. O porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, disse hoje que a administração ainda não pode confirmar a morte, mas reconhece que existe um crescente consenso entre "observadores de confiança" de que Mehsud morreu. O governo americano oferecia recompensa de US$ 5 milhões pela cabeça de Mehsud. O Paquistão considerava Mehsud a sua principal ameaça. Ele era suspeito do assassinato da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto e vários outros atentados, e assumiu a responsabilidade por alguns, incluído um audacioso ataque a uma academia da polícia paquistanesa em março que matou 12 pessoas.

A morte de Mehsud tende a ser vista como uma vitória militar do Paquistão e dos Estados Unidos em meio a esforços para erradicar a milícia fundamentalista islâmica Taleban e a rede extremista Al-Qaeda.

Tudo o que sabemos sobre:
PaquistãoEUATalebanBaitullah Mehsud

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.