AP
AP

Líder dos Zetas pode ter sido morto pela Marinha mexicana

Primeiros exames legistas fornecem indícios de que um dos homens capturados é Heriberto Lazcano'

Efe,

09 de outubro de 2012 | 08h43

CIDADE DO MÉXICO - Existem "fortes indícios" de que o líder principal do cartel Los Zetas, Heriberto Lazcano Lazcano, morreu em um enfrentamento com a Marinha do México no estado de Coahuila, informou a Secretaria da Marinha na segunda-feira, 8.

Veja também:

linkMéxico captura chefe do tráfico

linkMéxico apresenta chefão do Cartel do Golfo capturado pela Marinha

forum CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK

A dependência indicou em comunicado que os primeiros exames legistas feitos nos corpos de dois delinquentes abatidos no conflito "fornecem indícios de que um deles é Heriberto Lazcano", conhecido como 'El Lazca'.

Vários cidadãos denunciaram no início da tarde de domingo a presença de membros do crime organizado na área de Progreso, em Coahuila, pelo que uma patrulha dirigiu-se ao local para verificar a informação.

Ao circular pela zona, "o pessoal naval foi agredido com granadas desde um veículo em movimento, razão pela qual o grupo procedeu a repelir a agressão".

No enfrentamento, dois supostos delinquentes faleceram, enquanto um integrante da Marinha foi ferido sem gravidade.

Foram confiscadas na operação duas armas de grosso calibre, um lança-granadas com 12 granadas úteis, um lança-foguetes com dois foguetes, carregadores e cartuchos para armas de fogo de diversos tipos.

O enfrentamento ocorreu um dia depois de a Marinha ter infligido outro duro golpe aos Zetas ao capturar o chefe do cartel no nordeste do México, que é o suposto responsável pela morte de mais de 300 pessoas, incluindo 72 imigrantes ilegais em 2010.

Trata-se de Salvador Alfonso Martínez, conhecido como "Ardilla", suposto dirigente dos Zetas nos estados de Tamaulipas, Nuevo León e Coahuila, detido no sábado na cidade de Nuevo Laredo, fronteiriça com os Estados Unidos.

Os Zetas, um grupo integrado por desertores do Exército em 1999, surgiram como braço armado do Cartel do Golfo, mas em 2010 se separaram e desde então protagonizaram alguns dos episódios mais sangrentos da violência ligada ao narcotráfico no México.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.