Líder é convocado a formar governo provisório no Iêmen

O líder de oposição do Iêmen, Mohammed Basindawa, foi encarregado hoje de formar um novo governo para assumir até a partida do presidente Ali Abdullah Saleh, prevista para fevereiro. "Mohammed Salem Basindawa foi encarregado de formar um governo nacional de reconciliação", diz o decreto presidencial, que, de acordo com a agência de notícias estatal Saba foi assinado pelo vice-presidente Abdrabuh Mansur Hadi.

AE, Agência Estado

27 de novembro de 2011 | 18h45

Saleh transferiu o poder para Hadi sob um acordo do Golfo assinado na quarta-feira. Basindawa, ex-membro do partido de Saleh, foi escolhido na sexta-feira pela oposição para liderar um eventual governo de unidade. Também hoje, de acordo com a televisão estatal, o presidente Saleh perdoou aqueles "que cometeram erros durante a crise" que atingiu o país desde janeiro e matou centenas de pessoas. O anúncio provocou ira em grupos de oposição, que dizem que Saleh não pode mais tomar tais decisões depois de transferir seus poderes para Hadi, em troca da imunidade processual.

"O presidente da república decretou a anistia geral para todos aqueles que cometeram erros durante a crise", diz o comunicado lido na TV. A reportagem foi veiculada em meio a tensões no Iêmen, para onde Saleh retornou durante a noite, depois de viagem a Riyadh (Arábia Saudita), onde assinou o acordo do Golfo.

A TV estatal relatou que a anistia concedida por Saleh não inclui "aqueles envolvidos em crime e no ataque contra a mesquita no complexo do palácio presidencial". Os suspeitos que são "membros de partidos (políticos), grupos ou indivíduos serão levados a julgamento".

"Isto é uma violação da iniciativa do Golfo pela qual o presidente delegou seus poderes ao vice-presidente", afirmou a porta-voz da oposição Hurriya Mashhud. "Ele não tem mais direito nem prerrogativa ou capacidade para tomar tais decisões." O acordo do Golfo estimula que Saleh deve deixar o poder em 90 dias. Hadi declarou no sábado que as eleições presidenciais serão realizadas em 21 de fevereiro, um ano antes do previsto. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Iêmenpolíticanovo governo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.