Líder exilada uigur nega acusações do governo chinês

A líder exilada dos turcos uigures islâmicos da China negou hoje as acusações de que ela incitou os confrontos que deixaram 156 pessoas mortas na província de Xinjiang, oeste da China. Rebiya Kadeer é presidente da Associação Uigur-Americana. Desde que foi exilada da China, em 2005, ela vive em Fairfax, na Virgínia (EUA). Funcionários chineses a acusaram de incitar a violência entre a minoria uigur e os chineses Han, que formam a maioria da população do país.

AE-AP, Agencia Estado

06 de julho de 2009 | 19h37

Em entrevista, Kadeer disse que apenas telefonou para sua família na China para alertá-la sobre o risco dos protestos. Ela disse que tomado conhecimento dos protestos por websites chineses e uigures e estava preocupada que sua família fosse o alvo de perseguições do governo chinês, se algum parente se envolvesse nas manifestações.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaprotestosuigures

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.