Líder francês é recebido como herói em Timbuctu

Saudado como um herói nas ruas de Timbuctu, ex-epicentro jihadista no norte do Mali, o presidente da França, François Hollande, chegou ontem ao país para sua primeira visita após a guerra relâmpago na África. Cercado de populares, ele ouviu gritos de agradecimento pela vitória - apenas parcial - contra os radicais islâmicos que controlavam mais da metade do país.

ANDREI NETTO, CORRESPONDENTE / PARIS, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2013 | 02h07

A breve visita de Hollande foi anunciada apenas na véspera pelo Palácio do Eliseu, por razões de segurança. Antes, as Forças Armadas francesas realizaram uma operação "pente fino" em Timbuctu à procura de extremistas, de armas e explosivos - tudo para impedir atentados. O presidente chegou à cidade na manhã de ontem, menos de uma semana após a tomada do centro urbano histórico e conhecido por seu patrimônio arquitetônico e literário.

Nas ruas, os moradores o receberam como um líder em triunfo. Acompanhado de ministros e de um aparato militar, o presidente francês caminhou pelas ruas da cidade, confraternizou com a população e recebeu um camelo de presente. "Vou utilizá-lo tanto quanto puder como meio de transporte", brincou.

Mais tarde, o francês visitou a biblioteca da cidade, cujos manuscritos islâmicos, considerados Patrimônio Histórico pela Unesco, foram parcialmente destruídos antes da retirada dos jihadistas. Em discurso, Hollande afirmou: "O que fizemos foi para liberar e também para garantir a liberdade de culto e permitir que o patrimônio seja preservado", disse.

Ele advertiu que as tropas francesas e estrangeiras não permanecerão no Mali por tempo indeterminado. "As autoridades do Mali querem retomar a integridade territorial que lhe foi retirada. Estaremos ao seu lado para acabarmos essa missão. Mas nossos amigos africanos farão o trabalho que nós fizemos até aqui." Tropas francesas e malinesas seguiam ontem para o nordeste, em busca de jihadistas que fugiram para a região de montanhas da Província de Kidal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.