Líder guerrilheiro assume atentados na Chechênia

Uma agência de notícias favorável aos separatistas chechenos disse que o líder rebelde Shamil Basayev, terrorista que durante algum tempo foi primeiro-ministro da Chechênia, reivindicou a responsabilidade por dois ataques suicidas que mataram pelo menos 78 pessoas na semana passada. Autoridades russas dizem que ainda é cedo para atribuir a autoria dos atentados.A agência Kavkaz-Tsentr informa, em seu website, ter recebido um e-mail com a declaração de Basayev, dizendo que seu grupo, Riyadus Salikhiin, levou a cabo o ataque com um caminhão-bomba que devastou um complexo do atual governo da Chechênia, que é apoiado pela Rússia, e o ataque suicida a uma cerimônia muçulmana.A declaração atribuída a Basayev diz que objetivo dos ataques é ?a destruição física dos russos e de seus fantoches?. Basayev tornou-se uma figura pública pela primeira vez em 1991, ao seqüestrar um avião e desviá-lo para a Turquia. Em 1994 ele se uniu à guerrilha chechena, e em 1995, na cidade russa de Budyonnovsk, realizou o que talvez tenha sido o maior ato de terrorismo com reféns da história - seu grupo guerrilheiro capturou mais de mil pessoas, levou todas ao hospital local e as usou como escudos humanos. Mais de cem reféns foram mortos. A incursão em Budyonnovsk marcou a virada na guerra de independência da Chechênia, e em 1996 os russos se retiraram do país.Depois de um período na política chechena, Basayev voltou à guerrilha, e suas incursões na república no Daguestão levaram a Rússia a retomar a guerra contra a Chechênia, que continua até hoje.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.