Líder iraquiano diz que guerra não será fácil para os EUA

O vice-primeiro-ministro do Iraque, Tariq Aziz, disse que tropas invasoras não tomarão facilmente o país porque os iraquianos lutarão para defender sua pátria. Ele declarou que os cerca de 250.000 soldados liderados pelos Estados Unidos que se aglomeram em torno do Iraque não conseguirão derrubar o governo local sem uma batalha sangrenta. "Eles não podem tomar Bagdá. O povo do Iraque está preparado para lutar pela defesa de sua soberania, por sua honra e por seus interesses nacionais", disse Aziz. "Eles não tomarão o Iraque facilmente."Aziz fez seus comentários em entrevista concedida a jornalistas espanhóis em Bagdá. "Eles querem que nos rendamos antes da guerra", ironizou. "Não nos renderemos. E quando eles vierem para a batalha, nós os combateremos - com coragem e eficiência - e eles fracassarão."Ele aproveitou para qualificar como "artificial" o prazo de 17 de março sugerido por EUA e Grã-Bretanha num rascunho de resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas para que o Iraque se desarme.Aziz salientou que o ultimato entra em conflito com as palavras dos inspetores, que dizem precisar de alguns meses para concluir o trabalho em solo iraquiano e determinar se o Iraque livrou-se ou não das armas de destruição em massa supostamente em seu poder."Isto prova que os Estados Unidos e a Grã-Bretanha estão pressionando por essa resolução para fazer a guerra, e não para se certificarem de que o processo de desarmamento foi concluído", denunciou.Em Moscou, o presidente do Parlamento russo, Gennady Seleznyov, disse ter sido avisado por Saddam Hussein de que, se os EUA iniciarem uma guerra, os iraquianos lutarão "até as últimas conseqüências".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.