Líder islâmico acusa papa de intromissão

Um líder islâmico acusou nesta quinta-feira o papa João Paulo II e outros importantes religiosos de intromissão, após Israel ter ordenado a suspensão da construção de uma grande mesquita na cidade onde Jesus Cristo viveu sua infância - em um aparente esforço para diminuir a tensão com o mundo cristão. A mesquita está sendo erguida perto da Basílica da Anunciação, a maior igreja do Oriente Médio, que simboliza o local onde a tradição diz que o anjo Gabriel previu o nascimento de Jesus. Os muçulmanos dizem que um sábio muçulmano está enterrado no local. ?Desrespeito? Líderes cristãos alegavam que a construção de uma mesquita num local tão próximo a um santuário cristão representava "desrespeito" e aumentaram os protestos após o início da construção, há algumas semanas. Nesta quinta-feira, o gabinete de segurança de Israel decidiu interromper a construção, seguindo uma decisão tomada anteriormente por uma corte local. No entanto, ainda permanecia incerta a forma como o governo israelense agiria. Arie Mekel, porta-voz do governo israelense, disse que uma comissão ministerial recebeu a incumbência de encontrar uma solução para o problema dentro de duas semanas.

Agencia Estado,

10 Janeiro 2002 | 17h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.