Líder islâmico adverte sobre ameaça terrorista na Austrália

Segundo Fadi Rahman jovens muçulmanos são recrutados por grupos extremistas

Efe,

29 de outubro de 2007 | 05h57

Fadi Rahman, líder islâmico, alerta sobre a crescente xenofobia em relação ao Ocidente dos jovens muçulmanos australianos, que na sua opinião podem levar a atentados terroristas no país. Rahman, que dirige um centro de jovens muçulmanos em Sydney, disse ao jornal The Australian nesta segunda-feira, 29, que muitos deles são recrutados por grupos extremistas que lhes passam esse sentimento, embora não tenha indicado o nome dessas organizações. "Temos de fazer algo, ou o que aconteceu em Londres, um atentado daquele tipo, ocorrerá aqui", indicou. Segundo Rahman, os jovens são procurados por pessoas de meia idade, educadas e com um "forte ódio" em relação ao Ocidente. O líder islâmico afirmou ainda que eles utilizam "o ódio, a frustração e a raiva dos jovens" para levá-los ao radicalismo. Rahman acrescentou que os muçulmanos australianos não confiam na Organização Australiana de Inteligência (ASIO) e na Polícia Federal, especialmente depois do ocorrido com o médico indiano Mohammed Haneef, detido no país e acusado de ter participado dos atentados de Londres e Glasgow de junho. As acusações contra Haneef tiveram de ser retiradas por falta de provas e em função de vários erros durante a investigação. A Austrália é aliada dos Estados Unidos e colaborou com os americanos na ocupação militar do Iraque em 2003, onde mantém mais de mil soldados.

Tudo o que sabemos sobre:
Austráliaterrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.