Líder islâmico argelino conclama rebeldes a depor armas

O fundador do maior grupo islâmico daArgélia pediu na terça-feira a seus antigos seguidores quedeponham suas armas, depois do atentado que matou dezenas depessoas numa academia militar. Hassan Hattab, fundador do Grupo Salafista de Pregação eCombate (GSPC), se entregou às autoridades no ano passado,aceitando uma anistia oferecida pelo governo para encerrar umaguerra civil que deixou 150 mil mortos. Mas parte do GSPC adotou o nome de Al Qaeda em 2007 ecomeçou a realizar atentados urbanos, tramados em esconderijosnos montes Kabylie, a leste de Argel. "Eu lhes aconselho a reconsiderar e refrear o que vocêsestão fazendo, e que devolvam as armas à sua sociedade e suasfamílias", disse Hattab, segundo relato do jornal Ennahar. "Nãohesitem em depor armas", insistiu. Na terça-feira, um suicida lançou um carro-bomba contra umafila de candidatos à escola militar, matando 43 pessoas eferindo 45. Hattab já havia criticado o GSPC em 2006, um ano antes darendição, quando aconselhou seus membros a aceitarem a anistia.Especialistas dizem que ele continua sendo muito respeitado noscírculos militantes. "Revisamos nossa linha de ação sinceramente e concluímosque é um beco sem saída, sem perspectiva. É um dever da sharia[lei religiosa] parar de lutar", disse Hattab, de acordo com osite do jornal. O GSPC foi criado em 1998, quando Hattab rompeu com o GrupoIslâmico Armado (GIA), que desde 1992 havia se rebelado contrao governo, depois da anulação de uma eleição em que partidosislâmicos eram favoritos. Em junho de 2006, Hattab foi condenado à revelia à prisãoperpétua por "assassinato e pertencimento a grupo terrorista".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.