Líder islâmico condenado a quatro anos na Indonésia

Um tribunal da Indonésia condenou o líder muçulmano radical Abu Bakar Bashir por incitação à violência e o sentenciou a quatro anos de prisão. Mas os juízes o inocentaram da principal acusação, de liderar o Jemaah Islamiyah, o grupo do sudeste asiático vinculado à Al-Qaeda. "A fim de que o acusado não repita seus erros... ele tem de ser punido", anunciou o juiz Muhammad Saleh. "Nós, os juízes, determinamos uma sentença de quatro anos de prisão".A sentença relativamente branda colocou em dúvida os esforços do mais populoso país muçulmano do mundo para reprimir o terrorismo e a militância islâmica. Se fosse considerado culpado de todas as acusações, Bashir poderia ter sido punido com prisão perpétua. A sentença sugere que as autoridades indonésias querem conter o extremismo sem irritar a opinião pública islâmica.O julgamento era politicamente sensível para a presidente Megawati Sukarnoputri, cuja coalizão governista depende do apoio de partidos muçulmanos moderados. Representantes desses partidos, incluindo o do vice-presidente, Hamzah Haz, vinham expressando apoio a Bashir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.