Marcus Brandt/EFE
Marcus Brandt/EFE

Líder islamofóbico renuncia após tirar foto fantasiado de Hitler

O jornal 'Bild' publicou na capa a foto na qual Bachmann aparece com o bigode e o penteado habitual do ditador nazista; procuradoria vai investigá-lo por suspeitas de instigação à violência em comentários no Facebook

O Estado de S. Paulo

21 de janeiro de 2015 | 16h24

BERLIM - O líder dos Patriotas Europeus contra a Islamização do Ocidente (Pegida), Lutz Bachmann, renunciou nesta quarta-feira, 21, de suas responsabilidades à frente deste movimento depois da divulgação de uma foto sua fantasiado como o ditador Adolf Hitler e após a procuradoria decidir investigá-lo.

"Me desculpo sinceramente" é o título do comunicado com o qual Bachmann anuncia sua renúncia na página do Pegida no Facebook, onde lamenta os comentários "desconsiderados" que realizou e a possibilidade de ter prejudicado os interesses de seu movimento.

Por sua vez, a procuradoria decidiu abrir uma investigação por suspeitas de instigação à violência em diversos comentários escritos por Bachmann em sua página dessa mesma rede social, nos quais qualificava os peticionários de asilo como "gado", "sem-vergonhas" e "ralé".

A porta-voz do Pegida, Kathrin Oertel, expressou a rejeição da organização a esses comentários e assegurou que as palavras utilizadas por Bachmann não estão dentro de seu vocabulário político.

Oertel agradeceu a Bachmann por seu trabalho para estabelecer os fundamentos do Pegida e mobilizar milhares de simpatizantes e comentou que as fotos vestido como Hitler eram apenas uma "sátira", por ocasião da publicação na Alemanha de um romance que fantasia sobre um suposto retorno do ditador ao mundo.

As críticas contra a organização aumentaram hoje após a publicação na capa do popular jornal Bild de uma foto na qual Bachmann aparece com o bigode e o penteado habitual do ditador nazista.


A renúncia de Bachmann, o rosto mais visível do Pegida, acontece pouco antes de os simpatizantes desse movimento islamofóbico se reunirem nas ruas de Leipzig, no leste da Alemanha, para uma manifestação que esperam que seja gigantesca.

A tradicional passeata do Pegida, realizada a cada segunda-feira na vizinha cidade de Dresden, foi suspensa esta semana após Bachmann receber ameaças de morte de jihadistas. / EFE 

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaLutz BachmannPegida

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.