Líder jihadista anuncia fusão e promete atacar Egito

O líder terrorista Moktar Belmoktar, considerado por muitos o homem mais perigoso da região do Saara, uniu formalmente forças com um grupo jihadista do Mali e promete realizar ataques no Egito, segundo comunicado postado nesta quinta-feira na internet.

Agência Estado

22 Agosto 2013 | 11h09

O anúncio da aliança formaliza a união entre os seguidores de Belmoktar e o grupo conhecido como Mujao, sigla em inglês para Movimento pela Unidade e a Jihad na África Ocidental. O anúncio foi divulgado pela Agência de Informações Nouakchott, um site da Mauritânia já usado por Belmoktar para publicar suas mensagens.

Os dois grupos dizem que decidiram "confrontar a campanha sionista contra o Islã e os islâmicos" ao unir os jihadistas do Nilo até o Atlântico, abrangendo todo o norte da África.

Belmoktar, uma argelino que deve estar na casa dos 40 anos, foi o mentor do ataque contra uma usina de ás natural operada pela BP em janeiro no sudeste da Argélia. A ação foi uma retaliação à intervenção militar francesa no Mali.

Durante o ataque e o resgate 37 pessoas, das quais 36 estrangeiros, foram mortos no interior do complexo. Belmoktar assumiu a autoria do ataque após poucas horas, o que imediatamente o levou para as primeiras posições do ranking do terrorismo internacional.

Suspeita-se há tempos que Belmoktar, que rompeu com o braço da Al-Qaeda no norte da África para formar seu próprio grupo após discutir com os líderes do grupo militante, esteja trabalhando com o Mujao. O porta-voz do grupo jihadista sediado no Mali é tio da esposa maliana de Belmoktar. Belmoktar e o Mujao assumiram conjuntamente a responsabilidade por ataques realizados em maio no Níger.

Belmoktar afirma ter treinado no Afeganistão na década de 1990, incluindo um dos campos de Osama bin Laden. Foi lá que ele perdeu um olho, o que resultou no apelido "Laaouar", a palavra em árabe para "caolho". Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
EgitoBelmoktarataqueMujao

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.