Líder muçulmano pede "dia de ira islâmica" na próxima sexta-feira

O chefe da União Mundial de Ulemás (Sábios) Islâmicos, o egípcio Youssef al-Qaradawi, solicitou aos muçulmanos que "expressem sua ira na próxima sexta-feira" pelas palavras do Papa Bento XVI sobre o Islã e o profeta Maomé.Segundo informa nesta segunda-feira a emissora de TV Al Jazira, com sede no Catar, onde reside Qaradawi, o destacado clérigo islâmico insistiu, no entanto, em que os muçulmanos devem evitar ações de violência como as que ocorreram após a publicação das vinhetas de Maomé."A união pede aos muçulmanos que façam com que na próxima sexta-feira seja um dia de ira, mas essa ira deve ser razoável e com sensatez", disse o chefe da União Mundial de Ulemás Islâmicos, integrada por importantes clérigos de todos os Estados muçulmanos."Advertimos aos muçulmanos que não ataquem mesquitas nem pessoas (cristãs). Advogamos pela sensatez. O que puderem manifestar-se na sexta-feira, que o façam, e os que não puderem, que se sentem nas mesquitas", afirmou.Tanto Qaradawi como outros dirigentes muçulmanos consideraram insuficientes as explicações dadas no domingo pelo Papa Bento XVI sobre seus comentários de terça-feira na Alemanha.O Pontífice expressou aos muçulmanos sua "aflição", porque suas palavras foram mal interpretadas, e insistiu em que em absoluto faltou o respeito à fé islâmica.No discurso, pronunciado, em 12 de setembro, em Regensburg (Alemanha), o Papa citou um diálogo entre o imperador Manuel II Paleólogo (1391) com um erudito persa.O imperador pedia ao erudito persa que lhe mostrasse algo que o mundo devesse a Maomé que fora novo e respondia ele mesmo que só encontraria coisas "más e desumanas, como sua ordem de divulgar a fé através da espada". "O Papa tem que tirar estas palavras do texto original" do discurso que pronunciou na terça-feira na Alemanha, disse Qaradawi.Além disso, o líder muçulmano disse que em seu discurso de domingo o Bento XVI não ofereceu desculpas, mas "acusou os muçulmanos de não terem entendido bem suas palavras".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.