Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Líder norte-coreano quer desmantelamento nuclear na região

Kim Jong Il se reúne com representante chinês no 1º encontro com estrangeiros desde agosto de 2008

Agências internacionais,

23 de janeiro de 2009 | 12h44

A Coreia do Norte está comprometida com a remoção de armas nucleares de seu território e quer coexistir pacificamente, disse o líder Kim Jong-il nesta sexta-feira, 23, em seu primeiro encontro com um enviado estrangeiro desde seu suposto derrame, em agosto. A agência de notícias estatal chinesa Xinhua disse que Kim fez estes comentários durante a visita de uma importante autoridade chinesa a Pyongyang. Analistas disseram que um encontro com um enviado estrangeiro provaria que Kim está bem o suficiente para comandar a única dinastia comunista da Ásia e tomar decisões sobre o programa nuclear. Em agosto, autoridades norte-americanas e sul-coreanas disseram que ele estava gravemente doente.  "A Coreia do Norte vai se comprometer com a desnuclearização da península norte-coreana e espera coexistir pacificamente com as outras partes envolvidas", disse Kim, segundo a Xinhua. "A Coreia do Norte não quer ver tensões emergirem na península e está disposta a ampliar as consultas e a cooperação com a China, a fim de avançar nas negociações entre os seis países", acrescentou Kim, referindo-se às negociações multilaterais que têm o objetivo de suspender o programa nuclear norte-coreano, em troca de ajuda internacional. A Xinhua e a agência norte-coreana KCNA disseram que Kim se reuniu com Wang Kiarui, chefe do departamento internacional do partido comunista chinês, na sexta-feira. É muito raro que Kim seja citado diretamente.    A China é o principal parceiro comercial do regime, o mais isolado do mundo, que em outubro de 2006 fez seu primeiro teste nuclear, desencadeando uma crise internacional. China e Coreia do Norte celebram na atualidade o chamado Ano da Amizade, o que faz das visitas recíprocas de importantes dirigentes algo frequente na diplomacia dos dois países.   Na semana passada, o líder norte-coreano escolheu seu terceiro filho, Kim Jong-un, de 25 anos, como seu sucessor. O caçula foi educado na Suíça e tem por volta de 25 anos, informou a agência sul-coreana Yonhap, citando fontes de inteligência não identificadas. Jong Un nasceu do casamento de Kim Jong-il com sua última esposa, Ko Yong Hi. Eles têm outro filho, Kim Jong-chol, mas há informações de que o pai não prefere o filho do meio como possível sucessor.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.