Líder norte-coreano ratifica moratória de mísseis

Assegurando que a Coréia do Norte não éuma ameaça à paz mundial, o presidente norte-coreano, KimJong-il ratificou hoje, durante encontro no Kremlin com ocolega russo, Vladimir Putin, a moratória que congela até 2003 olançamento de mísseis balísticos norte-coreanos. Putin reiterou que a Rússia não considera a Coréia do Norte oEstado perigoso e inconfiável, como sustentam os Estados Unidos,e apoiou a reivindicação de Kim sobre a retirada das tropasamericanas da Coréia do Sul. O presidente russo pediu ao colega norte-coreano esforços paraintensificar o diálogo com os sul-coreanos, que hoje são um dosprincipais parceiros econômicos e comerciais da Rússia. Kim, que chegou de trem blindado à capital russo nasexta-feira, concordou com a teserussa de que o plano dos EUA para construir um sistema espacialantimíssil ameaça reativar a corrida armamentista mundial. Em troca, Putin disse que convidará a Coréia do Norte aparticipar de uma eventual reunião sua com o presidenteamericano, George W.Bush, para debater o plano americano, quetambém é vetado pela China e alguns aliados europeus dos EstadosUnidos. Kim visitou o Mausoléu de Lenin, na Praça Vermelha, e alidepositou flores. Ele recebeu de Putin promessa de ajudafinanceira, para enfrentar caótica situação econômica do país,agravada agora, depois de prolongada seca, por chuvastorrenciais e inundações. A moratória norte-coreana - anunciada oficialmente em 4 demaio durante histórica visita a Pyongyang de uma delegaçãochefiada pelo primeiro-ministro sueco, Goran Persson, presidenteem exercício da União Européia - prevê o congelamento dos testescom novos mísseis, mas não inclui a comercializaçãointernacional desse tipo de armamento nem a venda da tecnologiade fabricação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.