KCNA/via REUTERS
KCNA/via REUTERS

Líder norte-coreano supervisiona teste de novo sistema de defesa aérea

Segundo a agência KCNA, a ferramenta permite ‘detectar e bombardear diferentes alvos voadores de qualquer direção’; Kim Jong-un disse que é preciso produzi-la em massa

O Estado de S.Paulo

28 Maio 2017 | 17h52

SEUL - O líder norte-coreano, Kim Jong-un, supervisionou o teste de um novo sistema de armas antiaéreas e ordenou sua produção em massa e implementação em todo o país, informou a agência de notícias estatal KCNA neste domingo, 28, depois de semanas de desafiadores testes de mísseis.

A agência não informou a natureza exata da arma ou a hora do teste, mas disse que foi organizado pela Academia de Ciências da Defesa Nacional, suspeita de estar desenvolvendo mísseis e armas nucleares.

Nos últimos meses, o líder supervisionou vários exercícios militares, incluindo o disparo de um míssil balístico de médio alcance na semana passada. Washington continua a pressionar Pyongyang para que desista de suas ambições nucleares.

A KCNA informou que Kim "observou o teste de um novo sistema de armas antiaéreas", projetado para "detectar e bombardear diferentes alvos voadores de qualquer direção". Pyongyang testou pela primeira vez o novo sistema em abril de 2016, quando vários defeitos foram detectados, mas o líder norte-coreano indicou que este último teste permitiu verificar que todos eles foram "perfeitamente superados", segundo a agência.

A eficiência do sistema de defesa "para detectar e rastrear alvos melhorou notavelmente e a sua pontaria também aumentou" em comparação a 2016, afirmou Kim. Ao manifestar sua satisfação, ele considerou que "deveria ser produzido em massa, para ser implementado em todo o país (...) e arruinar os sonhos do inimigo de dominar o ar".

A Coreia do Norte vem impulsionando o desenvolvimento de uma ampla gama de sistemas de armas desde o início de 2016 em um ritmo sem precedentes, incluindo um míssil de longo alcance capaz de atingir os EUA. 

Os líderes do G-7 alertaram no sábado 27 que os testes com mísseis e armas nucleares da Coreia do Norte representam uma ameaça grave e garantiram que estão dispostos a tomar medidas adicionais para conter o país.

O presidente americano, Donald Trump, descreveu Kim Jong-un como "um louco com armas nucleares", e prometeu que o problema "será resolvido."

Pyongyang rejeita a ONU e as sanções unilaterais de outros países contra seu programa de armas e a vê como uma violação de seu direito à autodefesa. / AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.